Categorias

Newsletter

  • http://chocoladesign.com/wp-content/uploads/2015/06/capa_interna_fontes_para_marcas1.jpg
    Branding Identidade Visual

    Fontes para Marcas (Pt.1) – Por Guilherme Sebastiany

    A tipografia é parte fundamental de uma identidade visual. Para abordar este tema, temos a honra de contar com a participação de um especialista do assunto, Guilherme Sebastiany, que em uma série de 3 posts vai compartilhar um pouco do seu conhecimento conosco.


    Algo que sempre me chamou a atenção, desde os primeiros estudos sobre tipografia até os dias de hoje, é a especialização das fontes. Temos fontes para textos e para títulos; feitas para leitura em tela ou impressa; ideais para uso em corpo ou 6, ou 8, ou 12; desenhadas especialmente para uso em jornais, ou livros, ou dicionários, ou cartazes… Para mim isso é fascinante e se estudarmos o assunto, desde o início da história da tipografia sempre foi assim.

    Essa questão ficou ainda mais latente para mim ao ver menções, entre as palestras dos Dias Tipo sobre a necessidade de desenho ou adaptação de fontes para cada novo tipo de tela e resolução nas novas tecnologias de tablets e celulares, e até mesmo, da influência do idioma no desempenho da fonte, comentado na palestra da Thea Severino e Marcio Freitas no Dia Tipo 2013 sobre as mudanças no projeto gráfico do jornal A Folha de São Paulo.

    Mas tudo isso me fez perguntar: E fontes para marcas? Não estou falando das fontes padrão para textos das identidades visuais e sim das fontes nas grafias dos nomes das marcas, em seus letterings ou logotipos. Bom, não existem fontes feitas especificamente para marcas, mas se houvessem, quais seriam os desafios do projeto?

    A realidade da marca acaba por trazer demandas amplas de uso. Uma fonte para marcas teria que funcionar bem em vários tamanhos e materiais. Deveria funcionar muito bem tanto em papel, quanto em tela (em todas as telas). Deveria manter suas características não apenas quando impressa em offset, mas também quando reproduzida em serigrafia, flexografia, tampografia etc. Deveria funcionar tanto em corpo 8, quanto em corpo 3000, ou mesmo maior.

    FIQUE ATUALIZADO !

    Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do blog!

    I will never give away, trade or sell your email address. You can unsubscribe at any time.

    Bom, qualquer type designer que ler isso provavelmente dirá que isso é um absurdo, afinal é impossível criar uma fonte que atenda todas essas demandas. Outros talvez dissessem que fontes display, sem serifa e  mais pesadas, principalmente em caixas altas desempenhariam bem. Mas nenhum designer de marcas quer trabalhar apenas com fontes display! Queremos que nossas marcas possam ser serifadas, caligráficas, geométricas, scripts… Queremos dispor de garondas, didones, humanistas, góticas e/ou tudo o mais que desejarmos ou que nossos projetos demandarem.

    Mas se estas mesmas fontes foram criadas para fins muitos específicos e variados, que não os das marcas, elas desempenham sempre bem nesta função? Provavelmente não!

    Para começar, letras desenhadas para impressão em textos pequenos, tendem a ter ajustes óticos que consideram não apenas o ganho de ponto (o quanto a tinta ao se espalhar no papel deixa suas linhas mais espessas), como também podem vir a ter o que é chamado de ink-trap, pequenas reentrâncias nos cantos para que a tinta não acumule ali. Ampliados para um corpo 24 alguns destes detalhes começam a se parecer como falhas de desenho ou de impressão.

    Pensadas para texto longos, muitos dos ajustes ou personalizações que deixam o resultado interessante na textura impressa, ou mais fáceis de ler, podem ficar grosseiros ou desajeitados quando trabalhamos poucas letras lado a lado em tamanhos maiores.

    Usualmente estas projeções e pequenas diferenças nas terminações parecem, quando ampliados, como falhas de desenho e alinhamento entre alguns dos pares das letras.

    A realidade é que fontes não foram feitas para marcas, e mesmo aquelas desenhadas para títulos ou cartazes, foram estudadas considerando muitas combinações de caracteres, mas provavelmente não justamente os pares de letras daquela combinação usada no nome da marca que você está criando.

    Então será que devemos usar fontes para marcas?

    Infelizmente em muitos casos a resposta será não, ou pelo menos não na forma como a fonte nos é apresentada. Ajustar o espaçamento para a logotipo (que em design de marcas chamamos de espacejamento) e corrigir desde os desenhos dos caracteres, suas espessuras e terminações é um bom começo se você não tem ainda a habilidade ou a necessidade no projeto de desenhar as letras do lettering ou logotipo desde o início.

    Mas não fique aflito! É apenas uma questão de treino e prática, e desenhar poucas letras ainda é mais fácil que desenhar toda uma fonte.

    Por fim, existem outros motivos para usar com cuidado ou evitar o uso de fontes em marcas, mas esse assunto eu vou deixar para a parte 2 deste artigo, que você encontrará por aqui em breve.

    Abraços e até a próxima!

    Guilherme Sebastiany

    FIQUE ATUALIZADO !

    Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do blog!

    I will never give away, trade or sell your email address. You can unsubscribe at any time.


    • Bárbara Louise Contó

      Não me conformo, ler um artigo sobre tipografia e ter que selecionar o texto pra conseguir fazer isso… A fonte está com um peso extremamente leve!! Não da legibilidade e pra piorar está numa cor muito clara… Arrumem isso, um blog sobre design com essa falha é bem chato!

      • Pietro

        Faz parte do trend de hoje: “fonte cinza claro sobre fundo branco” … =|

    • Lucas Vasques

      Acho que temos uma colega com problema de visão.

      • Robert Felix

        De visão e de ego, né? O “Arrumem isso” é de cair o c# da bvnd@… por falar em leveza, faz muito bem pra gente mesmo ser mais leve, até pra criticar.

      • Daiana

        Até voltei a matéria e procurei a falta de legibilidade… não achei….

      • Leonardo D’Luz

        Na verdade é um problema com essa fonte em zoom mais distante, ela fica clara mesmo e fica parecendo uma fonte genérica, oque deixa a página sem personalidade, prejudicando a identidade visual da mesma.

        Sacaram pessoal? 😉

        sem contra-ataques de julgamentos desvirtuosos por favor!

    • Robert Felix

      Uma coisa que certos designers sabem fazer muito bem, diga-se de passagem, é criticar o trabalho alheio. Fonte leve, má legibilidade e cor muito clara… Oi???

      Pega leve, galera, não existe esse design perfeito. Perfeito pode ser nosso olhar que, ao invés de crítica, consiga ver o lado bom em algumas coisas, mesmo nas mais feias. Por falar em leveza, não faz mal ter um pouco disso aí pra se fazer uma crítica. Faz bem a quem recebe e a quem faz.

      • jackson beserra

        vou comprar pipoca kkkkk, brincadeira a parte vamos ter bom senso e isso basta.